ESPECIAL BLACK MIRROR — O que achei do episódio “The National Anthem”

Cena do episódio 'The National Anthem', da série 'Black Mirror', mostrando o Primeiro-Ministro e sua equipe assistindo a uma filmagem

O especial deste mês vai ser um aquecimento para a nova temporada da série “Black Mirror”, que deve estrear na Netflix nas próximas semanas. Ao longo dos próximos fins de semana, teremos posts sobre alguns dos episódios da série. Hoje, começamos pelo episódio de estreia, “The National Anthem”!

Quando surgiu na TV britânica em 2011, a série “Black Mirror” já causou um grande impacto com seu episódio de estreia, “The National Anthem”. Não só por se tratar de uma situação bizarra, mas plenamente factível, como também por refletir com assustadora precisão o comportamento humano diante dela.

A Princesa Susannah (Lydia Wilson), da Família Real, é sequestrada e ameaçada de morte por um desconhecido, que grava um vídeo no YouTube explicando que pode poupá-la se uma exigência for cumprida: uma transmissão em rede nacional do ato sexual entre o Primeiro-Ministro Michael Callow (Rory Kinnear) e um porco.

Cena do episódio 'The National Anthem', da série 'Black Mirror', mostrando uma reunião da equipe de jornalismo de uma emissora

Roteirizado pelo criador da série, Charlie Brooker, “The National Anthem” é um episódio tenso em quase sua totalidade. Há um bom uso dos recursos de edição, que tornam dinâmica e eficiente a troca de perspectivas: uma hora estamos acompanhando a história com o Primeiro-Ministro; outra hora estamos acompanhando a história nos estúdios de um jornal televisivo.

A história de “The National Anthem” abre espaço para uma grande gama de discussões. Por se passar no presente, tudo se torna ainda mais aterrorizante, pois ela representa uma hipótese bastante plausível dos acontecimentos. Atualmente, na verdade, já se tem conhecimento de casos de suicídio on-line, diante de vários espectadores que assistem à desgraça alheia.

Cena do episódio 'The National Anthem', da série 'Black Mirror', mostrando o protagonista

Rory Kinnear é a grande estrela do episódio e demonstra ser incrivelmente talentoso, alternando entre a fúria, o desespero e a ojeriza da proposta do sequestrador. Sua parceira em grande parte das cenas, Lindsay Duncan, incorpora bem o espírito controlado, sereno e objetivo de sua personagem, rendendo diálogos bem marcantes.

Talvez seja um exagero dizer que “The National Anthem” é um episódio que define se um espectador vai gostar ou não da série “Black Mirror”. Mas o fato é que o impacto que ele causa ajuda a preparar o espectador para os episódios seguintes, que não são exatamente menos cruéis.

NOTA: 9.5 / 10

Quer ver todos os posts do Especial Black Mirror? É só clicar aqui! Gostou da review? Quer sugerir um tema para o próximo mês? É só postar nos comentários.