ESPECIAL BLACK MIRROR — O que achei do episódio “Shut Up and Dance”

Cena do episódio 'Shut Up and Dance', da série 'Black Mirror', mostrando Kenny disfarçado
E chegamos ao fim do Especial Black Mirror e, também, do ano de 2017! Gostaria de desejar um excelente 2018 a todos os leitores do blog!!

O terceiro episódio da terceira temporada de “Black Mirror”, “Shut Up and Dance”, não é unanimidade entre o público e a crítica. Mas uma coisa é certa: extremamente tenso e assustador, tem uma terrível reviravolta, que chega a causar indignação e até mesmo decepção. Ainda assim, é um dos melhores episódios da série.

Ao retornar para casa depois de um dia de trabalho em uma lanchonete, o adolescente Kenny (Alex Lawther) descobre que sua irmã infectou seu notebook com um malware. No dia seguinte,  depois de rodar um anti-vírus, ele recebe um e-mail de um desconhecido, que possui gravações de momentos íntimos do adolescente em seu quarto. Para impedir o vazamento das imagens, Kenny se torna uma espécie de marionete dos hackers que invadiram seu computador.

Cena do episódio 'Shut Up and Dance', da série 'Black Mirror', mostrando Kenny

Com um roteiro bastante preciso, “Shut Up and Dance” eleva a tensão gradualmente, conforme Kenny vai se submetendo às ordens dos hackers. Não é difícil notar similaridades com “The National Anthem”, pois ambos tratam de chantagem e ambos lidam com tecnologias que são atuais, tornando ainda mais realista e assustadora toda a situação vivida por Kenny.

Entretanto, este episódio leva a questão da chantagem para um lado diferente, como se os hackers quisessem fazer a sua justiça, o que justificaria todos esses atos. Similarmente, seria algo parecido com o que Elliot fazia na primeira temporada de “Mr. Robot”. No fim, fica o debate: os fins justificam os meios? um crime justifica ou abona outro?

Cena do episódio 'Shut Up and Dance', da série 'Black Mirror', mostrando o ator Jerome Flynn

Em um episódio como este, as atuações precisam ser cativantes e expressivas. E, nisso, Alex Lawther tem sucesso absoluto. Desde os primeiros momentos, o medo e o desespero estão presentes nas expressões do protagonista e é possível se empatizar (até certo ponto) com ele. O elenco ainda conta com a ótima participação de Jerome Flynn, o Bronn de “Game of Thrones”.

Com reações altamente polarizadas, “Shut Up and Dance” é assustador e provocador, e se destaca como um dos melhores episódios de “Black Mirror”, mesmo com a sua polêmica reviravolta. O pior é que o episódio é extremamente atual, o que mostra, mais uma vez, que a tecnologia realmente é uma arma bem perigosa nas mãos de quem tem más intenções.

NOTA: 9.5 / 10

PS: A série Black Mirror ganhou uma nova temporada, que estreou na Netflix na última sexta-feira.

Próximo mês, teremos um novo tema no blog! Quer ver todos os posts do Especial Black Mirror? É só clicar aqui! Gostou da review? Quer sugerir um tema para o próximo mês? É só postar nos comentários.

Cena do episódio 'Shut Up and Dance', da série 'Black Mirror', mostrando Hector e Kenny em um carro

Comentários

Deixe uma resposta