O que achei do filme “Animais Noturnos”

Cena do filme 'Animais Noturnos', mostrando Susan em sua exposição

A vida amorosa da negociante de arte Susan (Amy Adams) está fracassando. Sua relação com o marido (Armie Hammer) está cada vez mais distante, apesar de suas tentativas de fazer dar certo. Um dia, ela recebe um manuscrito de um romance escrito por Edward (Jake Gyllenhaal), seu ex-marido. O livro mostra todo o horror que a família de Tony Hastings (Jake Gyllenhaal) sofre quando é abordada por uma gangue no meio de uma viagem de férias. A leitura faz com que Susan reflita sobre seu passado e os rumos que a levaram à situação que enfrenta hoje.

Para o seu segundo filme, Tom Ford busca novamente inspiração em uma obra literária. O roteiro de “Animais Noturnos” é baseado no livro “Tony and Susan”, de Austin Wright, publicado em 1993, que conta duas histórias paralelamente: a vida real de Susan Morrow e a ficção envolvendo a família de Tony Hastings. Ainda, o longa resgata momentos do passado de Susan, o que passa a impressão de estarmos acompanhando 3 histórias, na verdade.

Cena do filme 'Animais Noturnos', mostrando Tony e Bobby Andes em uma colina

Mas há uma grande diferença na forma como estas diferentes histórias são contadas. Enquanto a ficção escrita por Edward é contada como um thriller, com bastante suspense, o espectador assiste ao drama de Susan com um olhar mais contemplativo e reflexivo. Como o ritmo das duas histórias é bem distinto, é inevitável tecer comparações. E, de fato, a ficção chama bem mais a atenção do que a vida real, algo que soa bem similar à fala de Carlos, um dos personagens da vida real.

Ford conta as histórias alternadamente, com bruscas interrupções na ficção, como se fossem tapas da realidade. É interessante notar também que ele tenta estabelecer paralelos entre passagens da ficção e da vida real, realizando sobreposições de cenas. A ambientação também cumpre um papel importante na exploração dos personagens, por exemplo, mostrando como a vida de Susan é monótona e triste, através da ausência de cores e luz em sua residência. Vale destacar também o trabalho de maquiagem nas cenas de flashback de Susan, onde os protagonistas aparentam estar bem mais jovens.

Cena do filme 'Animais Noturnos', mostrando Aaron Taylor-Johnson

Apesar do bom protagonismo de Amy Adams, os maiores destaques da atuação estão justamente na parte ficcional do longa. A performance de Aaron-Taylor Johnson é excelente, especialmente em suas primeiras cenas, com sarcasmo e dubiedade suficientes para tirar qualquer um do sério. Jake Gyllenhaal alterna entre seus 2 papeis com bastante domínio, mas é como Tony que ele realmente chama a atenção. E, apesar do semblante sério e das poucas cenas de seu personagem, Michael Shannon é extremamente cativante. O elenco ainda conta com Armie Hammer, Laura Linney, Michael Sheen e Jena Malone.

“Animais Noturnos” estreou no Brasil no ano passado, sem muito alarde. É um filme interessante, mas as diferentes abordagens das histórias de seu roteiro não devem agradar a todos os públicos. O longa conseguiu indicações para premiações importantes como o Critics’ Choice e os Golden Globes, onde Aaron-Taylor Johnson venceu o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante. Por sua vez, Michael Shannon conquistou a indicação nesta mesma categoria no Oscar que se aproxima.

NOTA: 7.5 / 10

Comentários

Deixe uma resposta