O que achei do filme “A Chegada”

Foto de cena do filme 'A Chegada', mostrando Amy Adams pensativa com a nave extraterrestre ao fundo

12 enormes naves espaciais atravessam a atmosfera e se posicionam estáticas em lugares diferentes do mundo, o que faz com que as forças militares de vários países tomem providências a respeito. Nos EUA, as forças militares convocam a linguista Louise Banks (Amy Adams) e o físico Ian Donnely (Jeremy Renner), que ficam à frente de um time que busca decifrar a linguagem dos extraterrestres. Ambos acabam estabelecendo contato com os heptapods, como assim são chamados os alienígenas, em busca de compreender o que estão tentando comunicar. Quais serão as intenções dos heptapods?

O roteiro de “A Chegada” (Arrival, 2016) é baseado no conto “História da Sua Vida”, de Ted Chiang, originalmente publicado na antologia “Starlight 2”, que foi lançada em 1998. Referências a outros filmes de ficção científica não faltam, como “Contato” (Contact, 1997) e “Interstellar” (2014), mas também é possível enxergar referências a “O Jogo da Imitação” (The Imitation Game, 2014), no que diz respeito ao ato de decifrar a linguagem dos heptapods.

Cena do filme 'A Chegada', mostrando Louise segurando uma placa com o texto 'Human' escrito

Embora possua bastante embasamento teórico, o filme ainda requer alguma dose de boa vontade para as suas liberdades criativas. Por mais que seja relativamente fácil demonstrar a fraqueza da tese na qual o filme se apoia fundamentalmente (a Hipótese de Sapir-Whorf), não deixa de ser interessante especular a respeito do poder que uma linguagem traz para um povo. Mas, no filme, esse momento mais filosófico só fica mais claro quando a película está se aproximando do fim. Por sinal, a forma como os eventos finais se dão é cômoda demais diante da urgência e da gravidade da situação.

A direção de Dennis Villeneuve faz bastante uso de sequências contemplativas que são apoiadas por uma trilha sonora extremamente peculiar de Jóhann Jóhannsson. Além dos ótimos efeitos visuais, outro aspecto fascinante da direção de arte do longa está no design dos ideogramas que simbolizam a linguagem dos heptapods, desenvolvida pela artista Martine Bertrand. Também chama a atenção positivamente a forma como é extraída a significância de cada característica do ideograma.

Cena do filme 'A Chegada', mostrando Louise e Ian juntos contemplando a vista da nave extraterrestre

Amy Adams está muito bem como protagonista e confere bastante credibilidade e sensibilidade à sua personagem. O trabalho da atriz foi reconhecido por várias premiações, entre elas o Golden Globes Awards 2017 (que ocorre neste domingo). Ela faz uma ótima dupla com Jeremy Renner, que foge do estereótipo de físico desengonçado, também transmitindo uma boa dose de serenidade. O filme ainda conta com a participação de Forest Whitaker, como um oficial das forças armadas americanas.

Considerado um dos melhores filmes do ano passado por diversos críticos, “A Chegada” recebeu várias indicações em premiações de cinema, como os Critics’ Choice Awards e os Golden Globes. E, muito provavelmente, a performance de Amy Adams vai lhe render uma indicação como Melhor Atriz no Oscar deste ano. Por mais que existam inconsistências teóricas, há de se convir que o longa realmente cumpre o papel de provocar uma reflexão a respeito da capacidade intelectual dos seres do universo (terráqueos, inclusive).

NOTA: 8.5 / 10

Comentários

Deixe uma resposta