O que achei do álbum “Joanne”, de Lady Gaga

Capa do álbum 'Joanne', de Lady Gaga

Na época em que estava promovendo seu terceiro álbum, “ARTPOP” (2013), Lady Gaga experimentou a queda de sua popularidade e uma recepção bem morna para seu trabalho. Isso, aliado a problemas com sua equipe, provavelmente a fez buscar novas fontes de inspiração. Daí, a artista passou a demonstrar outros lados de sua veia artística: cantando jazz com Tony Bennett e atuando na série “American Horror Story”. Esta “nova Gaga”, mais sóbria, juntou-se ao produtor Mark Ronson e Kevin Parker do Tame Impala, em uma parceria inesperada, que resultou no álbum “Joanne”, lançado na última sexta-feira.

O primeiro single do álbum, “Perfect Illusion”, já mostrou que Gaga está assumindo uma sonoridade menos eletrônica no novo trabalho. É justamente nas canções mais orgânicas, por assim dizer, que “Joanne” se apoia. Mas ainda é possível notar algumas referências de seus álbuns anteriores na dançante “John Wayne”, que parece ter saído de “Born This Way” (2011) e na engraçadinha “Dancin’ in Circles”, quase um reggae / ska que remete à masturbação feminina.

Foto promocional para o álbum 'Joanne', mostrando Lady Gaga

O álbum abre com a poderosa “Diamond Heart”, na perspectiva de uma dançarina de boate sensual, que precisa de dinheiro, mas “em breve vai cair fora dessa”. Autobiográfica até o extremo, o título da música referencia diretamente o formato do anel de seu noivado cancelado. Em seguida, Gaga nos traz “A-Yo”, uma faixa animadíssima, um country dançante onde a guitarra de Mark Ronson dá o ritmo. A música foi escolhida como single promocional, mas ela tem potencial suficiente para ficar no topo das paradas.

O nome “Joanne” é uma homenagem à tia de Gaga, que ela não chegou a conhecer em vida. Apesar disso, Gaga disse que sempre se sentiu conectada à ela (inclusive através do próprio nome, Stefani Joanne Germanotta). A faixa-título, por sinal, é uma das melhores composições de Gaga. A experiência da perda de um ente querido é algo com que todos podem se identificar e a simplicidade dos versos e da música (praticamente acústica) faz com que a interpretação precisa de Gaga se sobressaia positivamente.

Capa do single 'A-Yo, de Lady Gaga

A potência vocal de Gaga continua grande e isto é comprovado na balada country “Million Reasons”, que chega a lembrar um pouco seu sucesso anterior “You and I”. Outra canção onde fica comprovada a dinamicidade da voz de Gaga é a melancólica “Angel Down”, cuja composição é inspirada no assassinato de Trayvon Martin em 2012, um caso que chamou a atenção da mídia por conta das alegações de racismo por parte do segurança que matou o jovem. Há uma versão demo desta música na versão deluxe do álbum, onde Gaga praticamente grita o refrão no final, exprimindo sua raiva diante do episódio.

“Grigio Girls” é mais uma música exclusiva da versão deluxe, que Gaga compôs com uma pessoa em mente. No caso, é sobre Sonja Dunham, diretora da Haus of Gaga e amiga pessoal da artista, que vem lutando contra um câncer de mama. A música é enaltece não só a relação entre as duas, mas a amizade feminina de uma forma geral (citando inclusive as Spice Girls). Este também é o tema do incrível dueto entre Gaga e Florence Welch na faixa “Hey Girl”, uma das melhores músicas do álbum. A música tem influências setentistas e as vozes de Gaga e Florence se harmonizam muito bem.

Foto mostrando Mark Ronson e Lady Gaga em sessão para o álbum

Transitando por estilos e temas diferentes (temos até influências de jazz na faixa “Just Another Day”), mas priorizando o country, pode-se dizer que “Joanne” é um trabalho único na carreira de Gaga, que consegue retornar ao mundo musical em grande forma. O álbum não deve figurar nas paradas de sucesso como a Billboard, já que é menos pop do que os anteriores, mas é muito bem produzido. As melhores músicas do álbum na minha opinião são “Diamond Heart”, “A-Yo”, “Joanne” e “Hey Girl”.

NOTA: 8.5 / 10

PS: Este review foi feito com base na versão deluxe digital do álbum. A versão deluxe física japonesa ainda conta com a versão demo de “Million Reasons”.