O que achei dos primeiros episódios da série “Justiça”

Cena de um episódio da série 'Justiça', mostrando os 4 condenados à prisão

Antes de mais nada, devo dizer que foi necessário assistir aos 4 primeiros episódios de “Justiça”  para poder escrever esta análise inicial. Os episódios correspondem a 4 histórias diferentes, que começam independentes, mas possuem cruzamentos entre si. Cada episódio é protagonizado por uma personagem diferente e algumas cenas aparecem em mais de um episódio, com perspectivas diferentes.

A primeira protagonista, Elisa (Débora Bloch), assiste à morte da sua filha, Isabela (Marina Ruy Barbosa), pelas mãos de seu noivo Vicente (Jesuíta Barbosa), após um ataque de ciúmes. Ela está decidida a assassiná-lo quando ele terminar de cumprir sua pena de 7 anos na cadeia. Fátima (Adriana Esteves), a segunda protagonista, tem uma vida simples e tranquila até a chegada de um novo vizinho, Douglas (Enrique Díaz), que possui um cão que passa a atormentar sua família. Mas quando o cão ataca seus filhos, Fátima perde a paciência e o mata na frente de seu dono. Douglas, que é policial, dá um jeito de incriminá-la por posse de drogas e, assim, Fátima também acaba cumprindo uma pena de 7 anos. Ao sair da cadeia, precisa reconstruir sua vida.

Cena do primeiro episódio da série 'Justiça', mostrando Jesuíta e Isabela

Rose (Jéssica Ellen), a terceira protagonista, vai a uma festa com sua amiga-irmã Débora (Luisa Arraes). Policiais abordam os adolescentes da festa e encontram drogas com Rose, após dispensar Débora (que também tinha drogas consigo). Com isso, Rose também é detida por 7 anos. Ao sair da cadeia, ela vai morar com Débora, que a relata sobre o estupro que sofreu. Rose e Débora decidem então ir em busca do homem por trás disso. Por fim, o quarto protagonista, Maurício (Cauã Reymond), presencia o atropelamento de sua esposa, Beatriz (Marjorie Estiano), o que causa a perda de seus movimentos. Ao saber que não poderá mais dançar, ela pede que Maurício acabe com seu sofrimento. Inicialmente relutante, Maurício acaba atendendo ao desejo de Beatriz, mas é preso e também cumpre uma pena de 7 anos. Ao sair da cadeia, descobre que o atropelador de sua esposa está se candidatando a governador e decide fazer justiça com as próprias mãos.

Cena do segundo episódio de 'Justiça', mostrando Fátima na delegacia

“Justiça” é a nova aposta da Globo para o horário das 22h. Por sinal, a aposta é tão grande que houve alteração da programação para acomodar a série, “empurrando” programas como “Tela Quente” e “Globo Repórter” para horários mais tardios. A série tem peculiaridades que a distinguem da maioria dos produtos da emissora, a começar pelo local onde se passa a história, Recife. Além disso, há uma maior liberdade para o diretor José Luiz Villamarim, evidenciada pela quantidade de planos-sequência e pela bela direção de arte. A trilha sonora aqui também é bem diversificada e bem selecionada (apesar de uma gafe no episódio 2, onde os personagens ouvem uma música que ainda não havia sido lançada na época da cena). Enquanto isso, o sotaque pernambucano é um calo para a maioria dos atores. Ainda assim, as atuações estão boas, com destaque para Adriana Esteves, que dominou o seu episódio.

Cena do terceiro episódio de 'Justiça', mostrando Rose sendo abordada por policiais'

A ideia de se interligar histórias independentes não é nova, mas é algo desafiador. Numa série assim, deve-se ter um cuidado muito grande com a linha temporal, já que as histórias ocorrem em paralelo. Não foi bem o caso aqui: a história do primeiro episódio parece ocorrer em menos dias que a história do segundo, por exemplo. E o problema não está apenas na edição das cenas. O próprio roteiro força muito a barra para que os eventos se encaixem numa mesma janela de tempo, acabando com a verossimilhança da história. Por exemplo, em uma mesma noite, Beatriz sofre um atropelamento, é operada, desperta, descobre que não vai mais se mexer, pede pra morrer e é executada por Maurício, que ainda teve tempo de ir em casa pensar um pouco antes de conseguir as drogas necessárias para a eutanásia. Ainda falando em verossimilhança, é bastante improvável que 4 pessoas sejam presas no mesmo dia, por motivos distintos, e cumpram o mesmo tempo de prisão.

Cena do quarto episódio da série 'Justiça', mostrando Maurício e Beatriz no chão, após o atropelamento.

Mesmo com esses grandes problemas, “Justiça” tem méritos ao jogar luz sobre temas delicados como machismo, racismo, eutanásia e assédio sexual. Resta saber se as histórias continuarão interligadas após esta primeira semana e se não teremos novos problemas com a linha temporal. A série terá 20 episódios e está sendo exibida de Segunda à Sexta, com exceção da Quarta, logo após a novela “Velho Chico”. E quem é assinante da Globo Play consegue ver os episódios antes de sua exibição.

NOTA: 7.5 / 10