O que achei de “How to Get Away With Murder” – Temporada 2

Pôster da 2a temporada de 'How to Get Away With Murder'

Ainda estou tentando colocar minhas séries em dia, por conta da maratona de filmes do Oscar. Com isso, só agora terminei de assistir à 2a. temporada de “How to Get Away With Murder”, cuja exibição pelo canal Sony encerrou mês passado aqui no Brasil (e em Março nos EUA). Como já era de se esperar, o nível da série caiu em relação à temporada passada e, infelizmente, já é possível perceber alguns vícios das produções de Shonda Rhimes. Embora muita coisa seja explicada, alguns pontos passam batido e certos eventos desta temporada acabaram sendo desnecessários.

Nesta temporada, a advogada Annalise (Viola Davis) e seus funcionários precisam lidar com o desaparecimento repentino de Rebecca (Katie Findlay), namorada de Wes (Alfred Enoch) e uma das suspeitas do assassinato da temporada anterior. Para que nem ela, nem seus alunos percam a cabeça por isso, Annalise decide arrumar outro grande caso para lidar: os irmãos Hapstall estão sendo acusados de terem assassinado seus pais adotivos para ficarem com sua herança. Mas será que ela e seus funcionários estão psicologicamente prontos para se envolver com outro caso?

Foto promocional do elenco da 2a temporada de 'How to Get Away With Murder'

A linha básica da série se mantém, mas esta temporada foca mais nas relações do que no dia-a-dia dos advogados, que já é bem conhecido pelos espectadores que a acompanham. Provavelmente por conta da quantidade de personagens, o desenvolvimento de alguns deles acaba sendo comprometido, tornando-os menos interessantes e sem profundidade; mas isso acontecer com Wes, que é um dos personagens principais, faz este problema ser ainda mais grave. Deixando a atuação de Enoch de lado (que também é um problema), o roteiro não ajuda e esta temporada transforma seu personagem em nada mais do que um revoltado extremamente chato. Ainda sobre relações, um dos vícios de Shonda Rhimes é fazer os seus personagens namorarem (e trocarem de namorados) entre si. E isso acabou acontecendo aqui também, de uma forma até mais forçada do que eu costumava ver em Grey’s Anatomy (que só vi até a 3a. temporada).

Os alunos de Annalise se relacionam mais do que nunca nesta temporada

Por conta do ritmo em que as coisas vão acontecendo, alguns eventos simplesmente foram deixados de lado. A partir de um determinado momento, Wes e os demais deixam de se preocupar com o sumiço de Rebecca, por exemplo. Wes também desistiu de ir atrás da verdade que o irmão adotivo dela também desejava encontrar. Falando em tempo, As passagens de tempo continuam presentes aqui, até mais do que antes. Como na temporada passada, aqui também ocorre o uso frequente de flashforwards, que vão dando pistas (e aumentando a expectativa) sobre um momento chocante do caso dos Hapstall. Mas também há uma utilização grande de flashbacks, que demonstram os primeiros contatos de Annalise com Wes, ainda criança. E nestes flashbacks, percebe-se que não houve tanto trabalho de caracterização: Sam (Tom Verica) está igualzinho e apenas os cortes de cabelo de Annalise, Frank (Charlie Weber) e Bonnie (Liza Weil) estão diferentes.

Foto de cena de 'How to Get Away With Murder' mostrando Annalise e Eve

Viola Davis sempre é um espetáculo e, especificamente no último episódio, ela consegue reinar em todas as suas sequências. Nesta temporada, tivemos a participação especial de Famke Janssen (a Jean Grey dos primeiros filmes dos “X-Men”) como a advogada Eve Rothlo, que também foi um interesse amoroso de Annalise no passado. Janssen trouxe uma dinâmica bastante interessante para a série e ajudou a mostrar um lado mais carinhoso da protagonista, que pouco foi mostrado depois da morte de Sam, na primeira temporada. E também tivemos a volta da adorável Cicely Tyson, interpretando a mãe de Annalise, no último episódio. Tomara que ela participe na próxima temporada também.

A segunda temporada de “How to Get Away With Murder” se perde um pouco, mas ainda está bastante inspirada. O último episódio consegue redimir praticamente todos os problemas da temporada e ainda cria uma expectativa muito grande em relação ao futuro de Wes, embora nem ele, nem os demais personagens secundários sejam cativantes. Provavelmente, na próxima temporada, Shonda vai apelar para mais uma de suas cartadas: a morte de um deles. A temporada ainda não está disponível no Netflix, o que só deve ocorrer no 2o. semestre deste ano.

NOTA: 8 / 10

Foto de 'How to Get Away With Murder, mostrando Annalise baleada no chão

Comentários

Um comentário sobre “O que achei de “How to Get Away With Murder” – Temporada 2”

Deixe uma resposta