O que achei do jogo “Escape 60”

Logo do jogo 'Escape 60'

Já imaginou ficar trancado de verdade em uma sala com seus amigos onde você precisa buscar pistas que o ajudem a decifrar enigmas e solucionar códigos que o levem até a saída, em até 60 minutos? Esse estilo de jogo existe (pelo menos desde 2011) e vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil, desde o ano passado. E, inclusive, o jogo é utilizado como parte de treinamentos para formação de equipes e lideranças. O “Escape 60” é uma das versões brasileiras desse tipo de jogo e chegou à Fortaleza no mês passado. A franquia foi inaugurada em Junho do ano passado, por 4 sócios que se interessaram pelo gênero depois de terem experimentado o jogo durante uma viagem que fizeram para Paris. Mas, de acordo com eles, as salas do “Escape 60” são exclusivas e foram desenvolvidas especialmente para o público brasileiro.

A unidade de Fortaleza do “Escape 60” possui 3 salas, com graus de dificuldade diferentes: “Corredor da Morte”, “Operação Resgate” e “Salvem Nossas Vidas (S.O.S.)”. São salas muito bem elaboradas: possuem decoração temática, com direito à trilha sonora sinistra e uma iluminação que faz os jogadores entrarem no clima de mistério. Além disso, há um monitor com uma contagem regressiva, sinalizando quanto tempo ainda resta para que os jogadores consigam sair da sala. Cada uma das salas permite de 4 a 8 participantes, de todas as idades (menores de 12 devem estar acompanhados de um adulto). Para jogar, é necessário agendar um horário e efetuar o pagamento, o que só é possível através do site.

Foto promocional da sala 'Salvem Nossas Vidas', do jogo 'Escape 60'

Quando estive em Nova Iorque em 2014, tive a oportunidade de experimentar um desses jogos pela primeira vez, o “Escape the Room – NYC” e posso afirmar que a versão tupiniquim é bastante parecida (inclusive no quesito preço) e consegue passar as mesmas sensações. Mas na versão nova-iorquina, os mentores que nos assistiam estavam se comunicando bastante conosco através do monitor. Não sei se a sala que escolhemos lá (“Home”) era complexa e tornava essas dicas necessárias ou se esse procedimento faz parte do comportamento padrão da franquia americana, mas não tivemos intervenção externa durante a nossa vez aqui em Fortaleza (e nem precisamos, hehe).

Esta semana, joguei em uma das salas do “Escape 60”, a “Salvem Nossas Vidas (S.O.S.)” junto com alguns amigos. Mesmo já tendo jogado uma vez, a empolgação e o instinto de investigação afloraram e fizeram com que a experiência fosse muito divertida, mais uma vez. A cada puzzle desvendado, o grupo vibrava, mas logo estava de olho nas novas pistas que eram reveladas. No fim das contas, concluímos a sala em aproximadamente 50 minutos, depois de penarmos um pouco com alguns enigmas. De acordo com um dos mentores, a taxa de sucesso nesta sala é de 18%! Falando nisso, os funcionários da unidade foram bastante atenciosos e simpáticos.

Seguem algumas dicas gerais (sem spoilers) para quem vai para o jogo:

– Não precisa ter medo, é só um jogo! Mesmo quem entra com medo, mergulha na atmosfera do jogo depois de alguns minutos; – Quanto mais pessoas, mais cabeças para pensar nos enigmas. Entretanto, alguma coordenação é necessária; – Preste atenção em todos os detalhes, leia tudo o que estiver disponível para ler, mexa naquilo que puder mexer; – Para encontrar as pistas, não é necessário fazer esforço. Se está fazendo algum, com certeza tem algo errado.

NOTA: 9,5 / 10

SERVIÇO Escape 60 – Fortaleza (http://www.escape60.com.br) Endereço: Av. Desembargador Moreira, 530, Meireles (ao lado da sorveteria San Paolo) Horário de funcionamento: Seg. a Dom – das 10:00 às 22:00 horas

>

Comentários

2 comentários sobre “O que achei do jogo “Escape 60””

Deixe uma resposta