O que achei do filme “O Quarto de Jack”

Pôster do filme 'O Quarto de Jack'

Jack (Jacob Tremblay) vive em um quarto pequeno, sem janelas, com uma claraboia no teto. É o quarto onde ele vive desde que nasceu (e de onde nunca saiu), ao lado de sua mãe, Joy (Brie Larson). O quarto também tem uma porta, com travas de segurança, por onde o “Velho Nick” (Sean Bridgers) entra, todas as noites para “visitar” Joy; somente ele consegue sair. Joy não aguenta mais o sofrimento da clausura e, com a chegada do aniversário de 5 anos de Jack, pretende colocar um plano de fuga em prática.

A história de “O Quarto de Jack” (Room) é baseada no livro homônimo publicado em 2010 pela escritora Emma Donoghue, que também é a responsável pela adaptação cinematógrafica. E Donoghue faz um bom trabalho, levando-se em consideração que o seu livro é escrito em primeira-pessoa (a história no livro é narrada pela perspectiva de Jack). O filme também faz um bom uso do recurso da narração de Jack em algumas cenas, o que é fundamental para que o espectador saiba o que se passa na cabeça da criança. Donoghue teve uma tarefa difícil, pois muitas fantasias da mente dele, assim como a sua percepção sobre todos os fatos, acabaram ficando somente no livro. Ainda assim, a adaptação de Donoghue foi indicada na categoria de Melhor Roteiro Adaptado em várias premiações, como os Golden Globes, Critics e até mesmo o Oscar.

Foto de cena do filme 'O Quarto de Jack', mostrando Joy e Jack

O talentoso diretor Lenny Abrahamson consegue fazer com que o filme transmita as mais variadas sensações de forma bastante satisfatória. Utilizando a trilha sonora como aliada, são fascinantes as cenas em que Jack está se divertindo sozinho dentro do quarto, assim como a sequência em que Jack vê o mundo externo pela primeira vez, onde os sons da chuva e do trânsito são amplificados. Abrahamson tornou esta sequência, inclusive, uma das mais tensas do filme (talvez a melhor), construindo a expectativa, pouco a pouco. Ele está entre os indicados na categoria de Melhor Direção no Oscar deste ano.

O excelente resultado do filme também não seria o mesmo sem as atuações. Praticamente todos os atores do filme, até mesmo os coadjuvantes, contribuem positivamente. Mas quem rouba a cena é o intérprete de Jack, o prodígio Jacob Tremblay. É impressionante como o garoto já transmite tanta veracidade e demonstra as suas emoções de forma totalmente condizente com a realidade que seu personagem está experimentando. Infelizmente, o carismático Tremblay não recebeu nenhuma grande indicação (ganhou a categoria mirim no Critics, foi indicado no SAG, mas não levou), mas sua mãe no filme, Brie Larson, tem recebido muitas indicações (e prêmios) como Melhor Atriz (no Oscar também). Larson está muito segura em sua performance, brilhando nos conflitos com os demais personagens, inclusive Jack. Por sinal, esse relacionamento entre mãe e filho é muito verossímil e muito gostoso de se assistir.

Cena do filme 'O Quarto de Jack', mostrando a primeira vez que Jack pega uma folha

Apesar de sua simplicidade aparente, “O Quarto de Jack” um dos melhores filmes desta safra do Oscar e está indicado na categoria principal, a de Melhor Filme. É um dos 2 únicos candidatos não-americanos da categoria, ao lado de “Brooklin” (Brooklyn). O longa toca em muitos assuntos delicados, que não deixam de provocar bastante reflexão, mas deixa claro que o foco principal da história é o grande elo que existe entre uma mãe e seu filho.

NOTA: 9 / 10

>

Comentários

3 comentários sobre “O que achei do filme “O Quarto de Jack””

  1. Apesar de uma certa monotonia no início, o filme é realmente ótimo. Todo o começo acaba levando a um envolvimento com os personagens. É realmente emocionante ver toda essa readaptação e a perspectiva da criança. De certa forma, a mãe lembra um pouco outro filme, “A vida é bela”, onde o pai também procura dar uma outra perspectiva pro filho, tentando minimizar o sofrimento. O único pesar de tudo isso é saber que esse drama não é simplesmente uma ficção, mas pessoas realmente passaram por esse drama na vida real.

Deixe uma resposta