O que achei do filme “Steve Jobs”

Pôster do filme 'Steve Jobs'

Quando a Sony anunciou que iria lançar um novo filme sobre Steve Jobs, algumas pessoas ficaram entusiasmadas. Isso porque talvez a nova produção viesse a ser mais competente que o regular “Jobs” (2013), outro biofilme sobre o empresário, que conta com Ashton Kutcher no papel principal. Mas a Sony acabou desistindo do projeto, que seguiu para as mãos da Universal. Além disso, alguns atores (Christian Bale e Leonardo DiCaprio) também recusaram protagonizar o filme.  Ou seja, mesmo antes de ser produzido, já se sabia da má repercussão que a produção poderia causar. “Steve Jobs” não se sai muito melhor que seu predecessor; é bem mediano, por sinal.

O filme aborda os bastidores dos lançamentos de 3 grandes produtos desenvolvidos por Steve Jobs (Michael Fassbender): o Apple Macintosh (em 1984), o NeXT Computer (1988) e o Apple iMac (1998), um por vez. Para que tudo ocorra da melhor forma possível, Jobs conta com o apoio da executiva de marketing Joanna Hoffman (Kate Winslet), que acaba por ajudá-lo a gerenciar os eventos, como também as relações tempestuosas de Jobs com seus chefes, colegas e sua família.

Foto de cena do filme 'Steve Jobs', mostrando Kate Winslet e Michael Fassbender

O roteiro de “Steve Jobs” foi escrito por Aaron Sorkin, também responsável pelo roteiro do filme “A Rede Social” (The Social Network, 2010). Embora ele tenha se baseado na biografia homônima,  escrita por Walter Isaacson em 2011, já é fato conhecido que Sorkin fez uso de contribuições de algumas das pessoas que aparecem na história no filme, como Steve Wozniak e Andy Hertzfeld. Ainda assim, quase tudo o que se passa no filme não ocorreu da forma como é mostrado. Sorkin admitiu que “encaixou” fatos da vida de Jobs em cada ato e que determinadas atitudes de Jobs foram inventadas, justificando que o filme é uma “pintura” e não uma fotografia.

Em outras palavras, este filme não tem absolutamente nenhum compromisso com a realidade e não serve como referencial histórico. A abordagem de Sorkin soa bastante teatral e faz com que não só os conflitos pareçam forçados como também faz com que os personagens sejam  bastante unidimensionais. Também chega a ser estranho que se fale de Jobs sem citar o iPod nem o iPhone. Também não menciona nada a respeito da sua segunda esposa, que poderia vir a acrescentar mais densidade na relação familiar. Ainda assim, o roteiro foi premiado com o Golden Globe de Melhor Roteiro Adaptado, o que diz muito a respeito das escolhas controversas desse evento.

Foto de cena do filme 'Steve Jobs', mostrando Seth Rogen e Michael Fassbender

O diretor Danny Boyle quis dar um ar particular para cada segmento ao optar por filmá-los em tecnologias diferentes (16mm no primeiro, 35mm no segundo e digital no último), mas acaba caindo no clichê em algumas sequências (como a da reunião do conselho da diretoria da Apple, no segundo ato, que ocorre num ambiente escuro, enquanto uma tempestade cai ao fundo através das janelas). A edição intercala os segmentos com reportagens e propagandas reais, uma decisão bem questionável, dada a imprecisão da história. A direção de arte é simples, trabalhando com poucos cenários (mas ambientados adequadamente em cada segmento). O figurino está bom, mas a caracterização de Steve Jobs deixou muito a desejar.

Mesmo tendo de interpretar um personagem substancialmente arrogante, Michael Fassbender consegue aproveitar cada cena para demonstrar mais do que isso: ele ilustra a obstinação e inteligência de Jobs, além de seu sarcasmo. Ele mostra que Jobs também tem uma faceta mais afável, nas cenas em que contracena com sua filha (com exceção do primeiro ato) e com Kate Winslet. Falando nela, a atuação de Winslet cresce a cada segmento, o que é bem coerente (já que a personagem Joanna vem adquirindo mais abertura com Jobs com o passar do tempo), e chega a seu ápice no último evento. Apesar das indicações, Fassbender não levou nenhum prêmio nas últimas premiações, ao contrário de Winslet, premiada no Golden Globe e no BAFTA. Ambos estão indicados ao Oscar (ele, como Melhor Ator e ela, como Melhor Atriz Coadjuvante), mas Leonardo DiCaprio e Alicia Vikander devem acabar levando.

Cena do filme 'Steve Jobs', mostrando Michael Fassbender no evento do iMac

“Steve Jobs” não foi bem nas bilheterias americanas (chegou a ser retirado dos cinemas antes do fim de sua exibição) e foi altamente criticado pelos parentes e amigos mais próximos de Jobs, algo compreensível, considerando o tom com que ele foi retratado. Mesmo sendo avaliado como uma releitura da vida de Jobs, o filme acaba sendo bastante parcial e não desenvolve bem os seus personagens. Para que se possa conhecer Steve Jobs, provavelmente é melhor ler as biografias, pois os filmes não ajudam.

NOTA: 7 / 10

>

Comentários

Deixe uma resposta