O que achei de “Filme para Poeta Cego”

Cena de 'Filme para Poeta Cego', mostrando o óculos escuro de Glauco Mattoso refletindo cena do filme 'Um Cão Andaluz'

Um poeta cego, podólatra, homossexual e sadomasoquista. Eis o personagem principal de “Filme para Poeta Cego”, um curta de 2012 que é praticamente um documentário que intercala depoimentos e entrevistas com algumas cenas de ficção. Dirigido por Gustavo Vinagre, o filme apresenta Glauco Mattoso, artista transgressor que aborda o sexo não-convencional, o abuso e a escatologia em seus textos. O nome artístico do poeta é um trocadilho com a palavra “glaucoma”, o nome da doença côngenita que o deixou completamente cego nos início dos anos 90.

No curta, um jovem diretor (Gustavo Vinagre) deseja realizar um documentário sobre Glauco Mattoso. O documentado aceita participar, mas impõe algumas condições para a realização das filmagens. Se, por um lado, estas condições acabam tornando a tarefa mais desafiadora para o diretor, pelo outro, fazem com que as coisas fiquem mais interessantes para Glauco.

Cena do 'Filme para Poeta Cego', mostrando Glauco lendo as costas de Akira

O filme utiliza o recurso da audiodescrição, onde as cenas exibidas são descritas, de forma a torná-lo mais acessível para deficientes visuais, como o próprio Glauco Mattoso. A maioria delas utiliza uma voz gerada a partir do editor de texto que Glauco utiliza no início do filme, o que faz com que o espectador vivencie a experiência de ouvir algo com que o poeta já deve ter se acostumado: uma narração robotizada, sem emoção, com alguns erros de pronúncia. Mas o melhor exemplo do uso da audiodescrição ocorre quando Akira, o esposo e “os olhos” de Glauco, está explicando a sessão sadomasoquista, que não é inteiramente exibida para o espectador, sugerindo o uso da imaginação como forma de visualizar esta prática (tal como os deficientes visuais).

A transição das cenas do curta, porém, é feita de forma muito abrupta. Por exemplo, em um instante, Glauco está entrevistando um ator (supostamente, um candidato para uma sessão sadomasoquista). No instante seguinte, Glauco está vestindo uma jaqueta (que ele não usava na cena anterior) e explicando a diferença entre quem já nasceu completamente cego e quem perdeu a visão gradualmente. Logo em seguida, corta-se novamente para a cena da entrevista com o ator. Um deficiente visual provavelmente interpretaria estas cenas como parte de uma sequência contínua, o que não é. Este ritmo um tanto atropelado deve ser o resultado da condensação de muitas horas de material gravado em apenas 25 minutos.

Cena de 'Filme para Poeta Cego', mostrando Gustavo Vinagre como cobaia da sessão sadomasoquista

O ousado Gustavo Vinagre participa de algumas das cenas do curta, como entrevistador e como cobaia da sequência sadomasoquista, o que ele certamente fez com o objetivo de provocar o espectador. Assim, esta acaba sendo uma das cenas mais intrigantes do filme, pois, além de demonstrar um pouco do sadomasoquismo, ela muda a perspectiva do curta: até então, o diretor estava orientando o documentado; agora é o documentado quem “orienta” o diretor. Outra cena bem intrigante é a que mostra o cruzamento dos dois prazeres de Glauco, quando ele lê uma poesia, em braile, a partir dos machucados nas costas de Akira, que foram feitos em alguma sessão anterior.

“Filme para Poeta Cego” foi exibido em diversos festivais no Brasil e no exterior e, apesar de ser bastante ousado, foi agraciado com muitos prêmios, como o de Melhor Filme no 20º Festival Mix Brasil. O fato é que a obra não teria a mesma repercussão sem a presença de Glauco Mattoso, que está à vontade ao compartilhar suas experiências e ao demonstrar sua bagagem poética aliada a seus desejos provocativos. Mesmo assim, o curta não deve agradar a todos por conta de sua natureza transgressora e por despertar sensações que provavelmente não são agradáveis para o público mais conservador.

Este post foi escrito originalmente como exercício para o curso de Crítica Cinematográfica que estou fazendo este mês. Coincidentemente, este curta e o ainda mais polêmico “Nova Dubai” (2014), também de Gustavo Vinagre, serão exibidos hoje na Mostra Cinema em Transe do Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco, aqui em Fortaleza. E o melhor de tudo, a mostra é gratuita! Para quem quer assisti-lo logo, o curta está logo abaixo.

NOTA: 8 / 10

>

Comentários

Deixe uma resposta