O que achei do especial “Sherlock – The Abominable Bride”

Pôster do especial 'Sherlock - The Abominable Bride'

A minissérie “Sherlock”, da BBC, é uma das melhores adaptações da história de Sir Arthur Conan Doyle. Esta versão se passa nos tempos atuais, com diversos paralelos com a época das histórias originais, e conta com atores excelentes e carismáticos. O grande problema dela é que suas curtas temporadas tem intervalos de tempo muito grandes, quase de 2 em 2 anos. Para acalmar os fãs, uma vez que a 4a temporada sequer está sendo filmada, os produtores resolveram lançar um especial no início deste ano: “Sherlock – The Abominable Bride”, algo como “A Noiva Abominável”. E, devo dizer, é um especial realmente voltado para os fãs! Como é mencionado no início do especial, esta é uma história alternativa. Logo, aqueles que esperavam a continuação direta da minissérie podem acabar se frustrando…

A história se passa na Londres vitoriana mas, como na minissérie normal, a situação é a mesma: Sherlock Holmes (Benedict Cumberbatch) e Watson (Martin Freeman) são parceiros na resolução de mistérios. O inspetor Lestrade (Rupert Graves) os visita para contar sobre o caso da recém-casada Emelia Ricoletti (Natasha O’Keeffe), que reapareceu após sua morte por suícidio e assassinou seu marido. Meses depois, Lady Carmichael (Catherine McCormack) também os visita para dizer que seu marido recebeu uma ameaça de morte. Ao investigar, Holmes e Watson percebem que Emelia (ou seu fantasma) pode estar por trás desta ameaça também.

Cena do especial 'Sherlock - The Abominable Bride

É muito bacana ver a caracterização dos personagens e os cenários nesta época, principalmente para aqueles que gostam do Sherlock atual e da história de Doyle. Várias cenas do especial remetem à minissérie original: a forma como Holmes e Watson se conheceram é quase idêntica, a interação com os personagens é bastante similar e até mesmo a abertura é uma variação vitoriana da original. Os produtores brincam até com as dinâmicas de exibição do conteúdo de cartas e livros, que ficam passando pela tela, assim como na original. Também o trunfo de fazer com que praticamente todos os personagens da minissérie apareçam aqui, em suas devidas versões vitorianas, mesmo que não tenham espaço para fazer muita coisa. Enfim, para um fã da minissérie, só tem coisas boas.

Cena do especial 'Sherlock - The Abominable Bride' mostrando Sherlock Holmes na Londres vitoriana

Mesmo gostando muito da série, eu achei que este especial ficou devendo. Não vou dar detalhes do desfecho deste especial, mas termina de um jeito que não foi tão satisfatório para mim. Cumberbatch e Freeman continuam ótimos, mas não aparentam diferenças de personalidade entre suas versões atuais e vitorianas. A história é interessante, mas acaba ficando confusa ao longo de seu final. Além disso, ele acaba sendo um tanto dispensável na linha temporal da minissérie; ele traz alguns  poucos detalhes importantes, mas acho que um recap no início da próxima temporada será suficiente para aqueles que não assistirem este especial.

NOTA: 8 / 10

>

Comentários

2 comentários sobre “O que achei do especial “Sherlock – The Abominable Bride””

Deixe uma resposta