O que achei de “Ponte dos Espiões”

Pôster do filme 'Ponte dos Espiões'

Durante a Guerra Fria nos anos 50, o FBI invade o apartamento de um suposto espião soviético, Rudolf Abel (Mark Rylance), no Brooklyn. Os EUA acreditam que Abel é realmente um espião, mas vão usá-lo para provar que o país oferece a chance de que seus acusados tenham um julgamento justo. Para isso, solicitam que James B. Donovan (Tom Hanks), um advogado especializado em seguros de vida, faça a defesa de Abel. Donovan assume o caso de Abel e decide fazer tudo o que for possível para ajudá-lo, mesmo que isso signifique sofrer rejeição de todos, inclusive seus familiares.

“Ponte dos Espiões” (Bridge of Spies) tem roteiro de Matt Charman e dos irmãos Coen (“Bravura Indômita”) e é baseado em fatos reais, por mais surreal que a história possa parecer. Dirigido por Steven Spielberg, o filme consegue transmitir como realmente a espionagem ocorria naquele período. Abel é um senhor muito simples, que não faz uso de artifícios tecnológicos e muito menos armas. O filme também demonstra o quanto a CIA agia de forma extremamente questionável, fazendo com que Donovan praticamente fosse obrigado (embora não tenha sido) a fazer tudo o que fez na segunda fase do filme. Do ponto de vista histórico, eu acredito que ele é bem fiel. Também é possível notar as diferenças entre os soviéticos/alemães e os americanos graças a edição, que faz cortes justamente para alternar entre as duas posturas. Claro, a postura americana nestas cenas acaba sendo mais humana; isto fica evidente em vários momentos.

Cena do filme 'Ponte dos Espiões', mostrando o julgamento de Abel

O personagem de Tom Hanks é muito, muito altruísta. E o ator consegue ir bem nas cenas em que faz as negociações, nas cenas em que advoga a favor de Abel… Mas, definitivamente, eu me incomodei com sua expressão facial. O que aconteceu com a testa dele? Houve vários momentos em que eu olhei pra ele e tive que esperar ele falar alguma frase para saber que emoção ele pretendia transmitir. Sua eterna testa franzida me fazia pensar em 3 opções: a) ele vai chorar; b) ele está irritado; c) ele está preocupado. Por exemplo, posso afirmar que ele não está chorando na cena do foto abaixo. Se ele for indicado a algum prêmio, eu já antecipo que minha torcida não é dele, infelizmente. Já Mark Rylance, na pele de Abel, desempenha um ótimo papel. O espectador consegue se compadecer dele, mesmo sendo um espião, pois é um velhinho simpático e calmo.

Cena do filme 'Ponte dos Espiões', onde Donovan fala com o secretário de Harald Ott.

Posso afirmar que “Ponte dos Espiões” é o típico filme que agradaria aos votantes da academia por enaltecer o governo americano e sua “humanidade” e até pode levar indicação na categoria de Melhor Filme no Oscar. Entretanto, o filme só conseguiu 1 indicação no Golden Globe e 1 no Screen Actors Guild, ambas justamente pela boa atuação de Mark Rylance. Acredito que a concorrência deve ser superior, mas isso eu só poderei afirmar depois.

NOTA: 8,5 / 10

>

Comentários

2 comentários sobre “O que achei de “Ponte dos Espiões””

Deixe uma resposta