O que achei de “RuPaul’s Drag Race” – Temporada 7

Imagem promocional da sétima temporada de 'RuPauls Drag Race'

O leitor mais antenado pode estar pensando: “tá atrasado, hein”. Mas o fato é que, somente na última segunda-feira, o canal Multishow exibiu a final da 7a temporada de “RuPaul’s Drag Race”, que já passou nos EUA há alguns meses. Portanto, não é mais novidade que a vencedora da temporada foi Violet Chachki. Foi merecido? A temporada foi boa? O Multishow exibiu o reality de forma digna? Vamos por partes, hehe… RuPaul’s Drag Race é um reality que busca encontrar a melhor drag da América, uma espécie de representante-mor do segmento por uma temporada. Para tanto, RuPaul realiza provas que tem como objetivo fazer com que as participantes se utilizem de seu carisma, singularidade, coragem e talento (charisma, uniqueness, nerve and talent — um trocadilho com a palavra CUNT, como RuPaul adora fazer) para dar o melhor de si. Não é difícil notar as inúmeras semelhanças com outro reality, o America’s Next Top Model, mas RPDR faz com que as participantes tenham que desenvolver/demonstrar muito mais talento aqui do que no reality de modelos.

Neste ano, o canal Multishow resolveu comprar os direitos para exibir com exclusividade a sétima temporada de RPDR; o Netflix Brasil possui os direitos das 6 primeiras. Enquanto muitos vibraram com a visibilidade que o programa iria adquirir, outros ficaram receosos do tratamento que o canal viria a dar para o reality. Menos de seis meses depois da exibição da final nos EUA, o Multishow começou a exibir a temporada, com direito à dublagem brasileira realizada por dubladores renomados, como Guilherme Briggs (dublou a Kasha Davis). Não foram poucos os que chiaram com essa dublagem, mas o Multishow disponibilizou também o áudio original (sem legendas, diga-se de passagem). Acredito que a dublagem ficou divertida, embora algumas expressões e vozes tenham se perdido. Se o canal exibir mais alguma temporada, deveria disponibilizar as legendas para o áudio original também. O Multishow também deveria disponibilizar o “Untucked”, onde as queens aparecem um pouco mais relaxadas e extravasam (positivamente ou não) seus sentimentos. O programa foi exibido nas segundas-feiras às 23h30, com direito à reprises do episódio anterior às 13h do mesmo dia.

Embora tenha sido melhor produzida (a melhora é progressiva, ao longo das temporadas, neste aspecto), a sétima temporada não foi muito interessante. De todas as participantes, apenas Katya se mostrou a mais carismática, embora tenha apresentado uma inconsistência que a levou a eliminação. Diferente do top 3 da sexta temporada (a melhor, na minha opinião), que foi extremamente acirrada, nenhuma das drags do top 3 desta temporada eram dignas do título. Mas, das 3, sem dúvidas, Violet Chachki foi a drag que mais se destacou, por ser inteligente, aprender com seus erros do início da temporada e ousar em suas roupas. Ela também foi responsável pelos dois momentos mais espetaculares da temporada: a transformação de sua roupa durante o desfile do primeiro episódio (vídeo acima) e o uso de um espartilho exageradamente apertado, acabando praticamente com toda a cintura. Mas Violet só estava em evidência quando se saía bem nos desafios ou quando demonstrava sua arrogância (algo frequente nos primeiros episódios).

Pearl, Ginger Minj e Violet no último episódio da sétima temporada de 'RuPauls Drag Race'

Eu acho que as provas poderiam ter sido mais variadas e a edição poderia mostrar mais da fase que em que as participantes estão confeccionando as roupas para os desafios… A final foi gravada em um teatro (como tem sido desde a quarta temporada), onde todas as queens se reúnem para esclarecer algumas situações e até mesmo responder perguntas do público. Embora seja tudo roteirizado, não deixa de ser o ponto alto da temporada. E também foi uma boa ideia terem feito o top 3 apresentar um número durante a final. Aqui, mais uma vez, Violet Chachki foi a mais interessante de se assistir.

Quem já acompanha o reality há algum tempo, sente que a temporada ficou devendo muito, principalmente quando comparada à anterior. A oitava temporada já está garantida, mas RuPaul já anunciou que haverá uma edição intermediária chamada All-Stars (houve um primeiro All-Stars, que deixou muito a desejar) e muitos fãs estão céticos. Será que a criatividade está se esgotando? Tomara que não.

NOTA: 7,5 / 10

Foto de Violet Chachki como vencedora da sétima temporada de 'RuPauls Drag Race'

Comentários

Um comentário sobre “O que achei de “RuPaul’s Drag Race” – Temporada 7”

Deixe uma resposta