O que achei do primeiro episódio de “MasterChef Brasil Júnior”

Foto promocional dos três jurados do MasterChef Brasil Junior e da apresentadora Ana Paula Padrão

Aproximadamente 1 mês depois do fim da bem-sucedida segunda temporada do MasterChef Brasil, a Band estreia a primeira temporada da versão mirim do reality show de culinária. “MasterChef Júnior Brasil” estreou na última terça-feira, com 20 crianças iniciando a disputa. Só que 6 delas foram eliminadas, logo de cara! As crianças foram divididas em 3 grupos, que iriam realizar provas distintas onde os 2 piores de cada grupo seriam eliminados. O primeiro grupo trabalhou com carnes, o segundo com massas e o derradeiro com sobremesas. Os pais das crianças estiveram presentes durante as provas para assistir, apoiar e até mesmo atrapalhar (era engraçado como as crianças reagiam à abordagem dos pais). Será que vão sempre estar do lado das crianças ou foi só por conta do primeiro episódio?

Cena do MasterChef Brasil Junior onde Tomás está flambando sua carne

O programa segue os mesmo moldes da versão com adultos, inclusive no que diz respeito ao péssimo horário e à duração (que dureza). Foram feitos alguns pequenos ajustes na decoração para torná-la um pouco mais lúdica mas, essencialmente, o cenário é o mesmo. Os jurados também foram “ajustados”: ao invés de pressionar, eles ajudavam, tentavam acalmar as crianças. Jacquin estava tentando ganhar a criançada (acredito que conseguiu), Paola estava mais doce do que o normal (bem chorona até) e Fogaça não estava ríspido, como costuma ser com os adultos. Forçado? Um pouco, mas acredito que vai melhorar.

Mas o que realmente faz de um reality show um sucesso (e acho que já falei disso na análise da versão adulta) são os participantes. Pelo primeiro episódio já deu pra ter alguma ideia de cada um, do quanto são espontâneos (ou não), carismáticos, engraçados e até mesmo emotivos (o pobre Matheus desabou a chorar, mesmo não tendo sido eliminado em sua prova). Quando eles estão descrevendo as cenas que estão sendo exibidas, eu sinto mais espontaneidade do que quando os adultos fazem isso. Preciso dizer que são competentes? Enquanto nós brincávamos com a pipoqueira da Eliana (no máximo), essas crianças já estão usando até maçarico para finalizar seus pratos!!! Ah, e foi muito legal promover as trocas de ingredientes entre os participantes. As crianças são muito solidárias e até se apoiam mutuamente antes do resultado final das provas! Muito bom.

Foto de cena do MasterChef Brasil Junior em que a prova de um grupo termina

A Band foi muito inteligente ao estrear esta edição pouquíssimo tempo depois do final da versão adulta, para manter o hype e satisfazer os fãs que ficaram órfãos. Mas eu acho que poderia ser exibido em horário melhor, até para as próprias crianças poderem assistir. Pra vocês terem uma ideia, o primeiro programa encerrou próximo de 1h da manhã da Quarta (horário de Brasília). Espero também que as provas e os convidados do programa sejam adequados para as crianças. Não dá pra ter torcida por ninguém ainda, mas acredito que teremos vários novos memes pela frente.

Agora, momento sério: alguns idiotas da internet estavam fazendo bullying, comentários maliciosos e pedófilos sobre as crianças durante a exibição do programa. Isso é algo tão desrespeitoso para qualquer pessoa; imagine para essas crianças (com idade entre 9 e 13 anos). Quero muito que os responsáveis sejam rastreados e punidos, porque não é legal cometer esses atos com ninguém, principalmente com pessoas que ainda tem muita coisa pra vivenciar.

NOTA: 8 / 10

Cena do MasterChef Brasil Junior em que Paola se despede de Hítalo

Comentários

Deixe uma resposta