O que achei dos 2015 Emmy Awards

Foto do momento em que o elenco de Veep sobe ao palco para receber o prêmio de Melhor Série de Comédia

Embora nem sempre concorde com as escolhas, costumo acompanhar as premiações de música, televisão e cinema. Ultimamente, as premiações tem sido bem mornas, então a melhor parte pra mim é essencialmente torcer pelos meus favoritos.

A principal das premiações de televisão, o Emmy Awards, teve a sua 67a. edição no último domingo, apresentada pelo ator e comediante Andy Samberg. Uma edição marcada pela diversidade, como ele mesmo enfatizou em seu discurso de abertura. A cerimônia não fugiu do roteiro padrão de premiações: Andy Samberg disparando piadas com os convidados e parodiando algumas séries e programas; apresentadores de prêmio tentando ser engraçadinhos; homenagens aos falecidos; vencedores sendo interrompidos durante seus discursos de agradecimento, etc… Não fosse alguns prêmios, esta teria sido uma cerimônia esquecível.

Foto da cerimônia em que Andy Samberg e Jane Lynch estão parodiando cena de Game of Thrones

A HBO dominou as categorias de série de Comédia e Drama. As séries Veep e Game of Thrones levaram 4 prêmios cada, sendo inclusive premiadas como melhores séries em suas categorias. Assisti apenas a primeira temporada e metade da segunda de Veep e sei que é uma comédia inteligente e rápida, mas não via potencial suficiente para levar o prêmio de ator coadjuvante (Tony Hale desbancou meu favorito Tituss Burgess, de Unbreakable Kimmy Schmidt). O potencial de Game of Thrones foi reconhecido de forma mais plena nesta edição, mas aparentemente a 5a temporada (que foi a premiada) não foi considerada a melhor pelos fãs, depois que li vários comentários (eu ainda não a assisti).

A premiação foi marcada pelo discurso de agradecimento de Viola Davis, ao vencer (merecidamente) o prêmio de Melhor Atriz de Série de Drama, como Annalise de How To Get Away With Murder. Ela foi a primeira atriz negra a conseguir este feito e, bastante emocionada, ressaltou a falta de oportunidades para atores negros em seu discurso de agradecimento: “Você não pode ganhar um Emmy por um papel que simplesmente não existe”. Tatiana Maslany, que finalmente havia recebido sua primeira indicação ao prêmio por interpretar as diversas clones da série Orphan Black, saiu sem prêmio. Convenhamos, a partir da 2a temporada, Orphan Black perdeu seu rumo.

Foto de Viola Davis exibindo seu prêmio de Melhor Atriz de Série de Drama

Além dela, o ator Jeffrey Tambor, eleito Melhor Ator de Série de Comédia pelo papel da transgênero Maura em Transparent, dedicou sua vitória à comunidade trans: “Obrigado por sua paciência, muito obrigado pela sua coragem, obrigado por suas histórias, obrigado por sua inspiração, obrigado por nos deixar ser parte dessa transformação”. Jon Hamm, depois de ser indicado 8 vezes, finalmente foi premiado como Melhor Ator de Série de Drama, como Don Draper na série Mad Men. Acredito que este prêmio foi uma consolação, uma vez que a série encerrou em Maio deste ano. Uzo Aduba também fez história ao vencer o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante de Drama por um personagem com o qual já havia vencido o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante de Comédia (Crazy Eyes), o que aconteceu devido à mudança de regras para edição deste ano, fazendo com que a categoria da série Orange Is The New Black fosse alterada.

Ao final das premiações, normalmente eu descubro coisas novas para ver ou me interesso novamente por algumas coisas. Desta premiação, o que tirei é que preciso terminar urgentemente a 5a temporada de Game of Thrones, que devo dar mais uma chance para Veep e que devo procurar ver Transparent.

Foto da equipe de Game of Thrones posando com seus prêmios

Comentários

2 comentários sobre “O que achei dos 2015 Emmy Awards”

Deixe uma resposta