O que achei de “MasterChef Brasil” – Temporada 2

Banner da 2a temporada do MasterChef Brasil

Normalmente, as adaptações brasileiras dos reality shows deixam muito a desejar e nunca superam as versões originais. Não é o caso do MasterChef Brasil. Esta temporada repercutiu de forma ainda mais positiva do que a primeira. É claro que orçamento e equipe técnica são importantes, mas a chave do sucesso de um reality show reside na química do elenco. Os candidatos desta edição foram bem selecionados e contribuíram com ideias e execuções impressionantes, conflitos, lágrimas, manifestações de carinho e amizade… Sem contar os jurados (Paola Carosella, Erick Jacquin e Henrique Fogaça), que oscilam entre os conselhos e os gritos, mas não perdem o carisma.

Não posso deixar de falar da Jiang, a chinesinha que cativou todo mundo com seu jeito meigo e tímido. Ela sempre teve paixão pela cozinha, mas isso não agradava a seu pai. Formou-se em Estatística, mas decidiu largar tudo e se inscreveu na competição. Durante as provas se mostrou uma competidora calma e inteligente, além de muito engraçada. Como ela não fala muito bem o português, eram exibidas legendas todas as vezes em que ela ia falar. Assim, vibramos com pérolas como “cebora” e “a gente ganhou de lavagem”! Infelizmente, ela foi eliminada na penúltima prova, mas o sucesso sempre chega a quem merece: dada sua altíssima popularidade, ela foi contratada pela emissora para fazer chamadas para promover a versão infantil do reality. É bem possível que ela apareça no novo programa também. Acho que podemos considerar que ela também foi uma vencedora, não é?

Foto de Jiang sorrindo em um episódio da 2a temporada do MasterChef Brasil

A final foi exibida na última terça-feira, com um tratamento que acredito que nenhum outro programa da Band já recebeu. Uma torcida foi posicionada no lado externo do estúdio, com direito à presença de equipe de reportagem, por onde os finalistas Raul e Izabel iam passar; diversos blogueiros e twitteiros foram convocados para assistir à final em um estúdio onde iriam ficar twittando e promovendo o programa (como já vinha acontecendo naturalmente), capitaneados pela Preta Gil; em outro estúdio, a apresentadora Ana Paula Padrão e os jurados iriam anunciar o vencedor da temporada. Ao longo da final, também foram exibidos alguns “remixes” muito mal-feitos com frases e expressões dos jurados e da própria Ana Paula.

A questão é que o processo de criação e avaliação dos pratos da final já tinha sido gravado há 2 meses. A produção divulgou que a final seria ao vivo, mas resolveu intercalar as cenas ao vivo com as cenas gravadas previamente (os candidatos, os jurados e a Ana Paula vestiam as mesmas roupas) e isso não pegou bem, afinal havia espectadores convivendo com os spoilers, pois já sabiam que a gravação já tinha sido feita (meu caso) e aqueles que não sabiam se sentiram enganados. A vencedora foi Izabel.

Foto de Izabel segurando o troféu de vencedora da 2a temporada do MasterChef Brasil

Izabel, que tinha sido eliminada no 6o. episódio, voltou à disputa no 9o. episódio e comprovou que melhorou muito. Apesar do seu emocional pesar muito, ela gradativamente aumentou seu nível de culinária e organização. Já Raul, ao longo de quase todas as provas e, inclusive, na própria prova final, era bastante desorganizado e eu tinha a impressão de que ele contava com muita sorte pros pratos saírem bons. Por isso, eu acho que a vitória dela foi justa.

A Band firmou parceria com o Twitter ao longo de toda a temporada e, na final, a hashtag do programa ficou no topo dos trending topics mundiais, ultrapassando a marca de 1,5 milhão de menções. Como forma de agradecer a esse público, o programa anunciou em primeira mão pelo Twitter quem havia vencido o programa, alguns segundos antes de fazê-lo na televisão. Um exemplo de interatividade que ainda não tinha sido explorado no Brasil.

Bom, não vou me estender mais: o programa foi um sucesso, apesar da decepção da final não ter sido ao vivo. É um dos poucos realities cuja adaptação foi mais do que bem sucedida. Agora, um apelo pra Band: por favor, repensem o horário do programa, principalmente para a versão infantil. Não é fácil dormir mais de 1h da manhã de terça para quarta.

Foto dos jurados do MasterChef Brasil com Ana Paula Padrão

Comentários

Um comentário sobre “O que achei de “MasterChef Brasil” – Temporada 2”

Deixe uma resposta